Multiverso no RPG

Entre os RPGistas é comum que se jogue em apenas um mundo de atuação e às vezes sem um mundo específico. A ideia desse artigo é mostrar que é possível jogar em vários e mundos e muitos livros dão suporte a isso.

 

Multiverso nas ciências e na literatura

O termo surgiu em 1895 pelo psicólogo William James e tornou-se popular pelo livro Michael Moorcock quando criou o “Campeão Eterno” (Eternal Champion) no qual um heroi passa a ser campeão não apenas da sua dimensão mas sim de todas a qual o universo se refere e no qual participa o personagem mais famoso dele: Elric de Melinboné e representando a nossa Terra está Rolando, um dos Paladinos de Carlos Magno. É interessante procurar o romance The Eternal Champion, não publicado no Brasil, no qual desenvolve essa história.

Na Física, o Multiverso existe apenas na teoria em que ele teria a forma de várias “bolhas de sabão” que se interligariam por buracos de minhoca ou buracos negros, onde cada uma dessa “bolha de sabão” poderia ter leis da Física que funcionariam de forma diferente. Para essa versão é interessante ver o documentário Universos Paralelos da BBC dividido em cinco partes. Essa é a inspiração do GURPS Alternate Earths e dos Supers.

Na religião, Multiversos são citados no hinduísmo e mesmo em diversas religiões, onde há o conceito de Céus e Infernos (sim, no plural). Na Filosofia, assim como na Física, há a ideia de que todas as pessoas possuam uma contraparte em outros universos (ou não, pois pode ser que você não tenha nascido nesse universo paralelo), mas essa eequalidade com nosso mundo para por aí, segundo a teoria da contrapartida de David Lewis esses objetos são semelhantes e não iguais, o que leva a conceber que são mundos diferentes entre si, o que batiza a chamada Realidade Modal. Vale lembrar que todos citados até aqui são teorias e ainda não foram explicadas.


Supers: Multiverso da DC e da Marvel

Só para citar começar, irei citar um ecemplo conhecido de todos: Bizarro, o anti-Super-Homem que na Terra é Supervilão, mas que na sua realidade é um super herói e mora em Bizarro (ou Htrae). Ou seja, é a mesma Terra e o mesmo Super-Homem, mas todos no planeta são diferentes, trata-se de um universo paralelo.

  • DC: Em 1956, os herois da DC já estavam todos remodelados ganhando novos figurinos, identidades e poderes, o que levou a DC ter herois diferentes para cada era dos quadrinhos: a de Ouro (anterior) e a de Prata, barixada DC Universe, a qual estamos durante esses fatos. O primeiro contato entre herois da Era de Ouro e de Prata foi com a Mulher Maravilha em 1953 e depois em 57, num mundo onde a criminalidade venceu. Em 1985 foi publicado “Crise nas Infinitas Terras”, uma edição limitada de 12 volumes na qual um vilão chamado Super-Monitor destroi diversas dimensões alternativas e herois das dimensões que faltam: Terra-Um, Terra-Dois, Terra-Quatro, Terra-S, e Terra-X junto com poucos sobreviventes das outras dimensões têm de detê-lo, o que culminou com a morte de vários personagens como a SuperGirl ou o Flash, Barry Allen. Depois deles, duas outras séries de quadrinhos trataram do tema: 52, Crise Infinita e All Star Superman assim como episódios da Liga da Justiça (incluindo também a série Sem Limites). Veja a lista de mundos do Multiverso DC
  • Marvel: Da mesma forma que a DC, a Marvel tem seus mundos que não dependem da cronologia principal, são universos diferentes, contndo com um número extraordinários de Terras, inclusive com alguns contendo a figura bizarra de Howard the Duck. Há também dimensões alternativas como Asgard, Avalon, entre outras. Lista de Dimensões da Marvel e universos alternativos conhecidos da Marvel

GURPS: Alternate Earths e Infinite Worlds

A primeira vez que as realidades alternativas apareceram em GURPS foi no GURPS Time Travel conhecido no Brasil como GURPS Viagem no Tempo) e cobria um capítulo inteiro chamado Dimensões Alternativas na qual os herois devem enfrentar o Centrum, uma outra dimensão que está alterando dimensões próximas. Depois, em GURPS Império Romano também há a descrição de uma Terra paralela batizada de “O Império Sem Fim”, um mundo no qual passando em 1991 e o Império Romano não caiu. Por fim, ainda na terceira edição saíram os dois volumes de GURPS Alternate Earths que ampliam as descrições sobre as dimensões. Há também o livro GURPS Time Travel Adventures sobre aventuras nesse cenário.

No GURPS Alternate Earths 1 temos Dixie, baseado na vitória do Sul ao Norte na Guerra civil norte-americana e os EUA expandem o território cobrindo todo o Canadá e a América Central, Reich-5 apresenta a Alemanha como vitoriosa na 2ª Guerra Mundial e tornam-se “donos do mundo” juntamente ao Japão e Roma Aeterna já citado, no qual o Império Romano ocupa a terra toda, da Índia até o Brasil, Shikaku-Mon um mundo dividido entre o Império Sueco, totalitário, o Império Japonês, católico, Ezcalli na qualk os cartagineses descobrem a América e Gernsback na qual Tesla não morre e casa-se com o filho de J.P. Morgan, o que viabiliza várias invenções dele e não ocorre 2ª guerra mundial.

No GURPS Alternate Earths 2 há os universos Cornwallis na qual não ocorrem as Revoluções Americana e Francesa na qual ainda há impérios no mundo, Ming-3 um, mundo no qual os chineses descobrem o resto do mundo e conquista a Europa, Midgard na qual os vikings conquistam e descobrem boa parte do mundo, Caliph tal qual os dois anteriores, mas governados por muçulmanos e com descobertas de vários mundos, Aeolus na qual o Impérios se mantêm sendo o principal o Habsburgo que ocupa um espaço maior que a Rússia e finalmente, o Centrum onde desde o GURPS Viagem no Tempo é posto como vilão, trata-se de um, mundo em que ele todo fala-se inglês e com tecnologia melhor que a nossa.

Na 4ª Edição de GURPS, Os mundos infinitos tornaram-se o cenário padrão de GURPS, sendo citado no Módulo Básicoe por fim, lançado o livro oficial do cenário: GURPS Infinite Worlds com a descrição de muitos cenários, incluindo o divertido Estados Unidos da Lagártia, onde os dinossauros evoluíram e tornaram-se humanóides. Dois mundos desse tornaram-se netbooks: Britannica-6, onde a terra transforma-se num mundo Steampunk com direito a dromedários e aerostatos e Lost Worlds com uma coleção de novas paralelas bizarras.

Aqui, outras dimensões alternativas criadas por um fã e uma relação de mundos do Infinite Worlds.

 

Dungeons & Dragons: Planescape e Manual dos Planos

Planescape é uma expansão do que foi citado no Dungeon Master Guide do AD&D 1ª Edição e foi rapidamente citado no Livro do Mestre do AD&D 2ª Edição, incluindo a localização de Sigil. Planescape aproveita além da estrutura dos planos, cria a cidade-rosca Sigil, a auto entitulada cidade dos portais governada pela misteriosa The Lady of Pain, a Senhora da Dor e as facções que estão em guerra. A divisão dos Planos desde AD&D 1ª Edição até o Planar Handbook, último título planar de D&D3.5, sendo que na 4ª Edição os planos sofrem diferenças:

  • Plano Material: É o plano da maioria dos mundos de D&D sendo que Oerth, onde se situa o mundo-padrão da 3ª edição, Greyhawk, é o principal plano.
  • Planos transitórios: São planos que ligam planos aos outros, o mais importante é o espaço entre dois planos que é denominado “Plano Astral”. Plano Etéreo onde moram os monstros e fantasmas situado sobre um plano adjacente. Plano das Sombras é uma cópia escura do plano material
  • Planos inferiores: São os planos elementais (terra, ar, água, fogo) e energéticos (energia positiva e negativa)
  • Planos exteriores: Planos onde moram a maioria das criatuas extra-planares. São planos malignos, neutros e bons como Os Nove Infernos, Limbo, Abismo, Hades, Arcádia, Celéstia, Elísio e Geena.
  • Semiplanos: São planos mistos como Neth, o Plano Vivo, o Observatório, o plano que tudo vê e Consenso, onde são negociadas tréguas.
  • Outros planos: Região dos Sonhos, Plano de Espelhos, Mundo dos Espíritos, Plano elemental do frio, Plano elemental da madeira, Plano da energia temporal, Plano de faerie, Reino distante, Cosmologia das miríades dos planos, Cosmologia dos sósias, Cosmologia do planetário, Cosmologia da estrada tortuosa e anomalias planares

No Brasil, Mítica tem um suplemento se inserindo nessa cosmologia. Confira o arquivo aqui e veja uma amostra dos Planos na 4ª edição.


Daemon: Cosmologia de Arkanun/Trevas

Em Daemon, mais precisamente na linha Arkanun/Trevas há os planos de existência onde gira a roda dos mundos, quando a magia é usada, o plano superior suga a energia abaixo dele, o que faz o Infernum um lugar decadente e Paradísia um paraíso. Os planos são:

  • Terra: O nosso planeta e um mundo parecido com o nosso.
  • Arkanun: Era um mundo paralelo com a Terra até descobrirem a magia
  • Infernun: Os habitantes desse lugar deixaram a sua humanidade em troca pela magia. Local formado por rios de lava que cruzam desertos de cacos de vidro vermelho-sangue.
  • Tenebras: Teve a vida destruída há milênios, muito antes do surgimento da vida humana na Terra, alguns seres que viviam aqui fugiram para uma outra dimensão chamada Limbo e vivem procurando hospedeiros na Terra.
  • Paradísia: Plano logo superior a Terra, habitado por Anjos e sede da Cidade de Prata e de Metrópolis.
  • Éden: O Reino dos Sete Céus onde não existem portais para chegar até lá, é onde residem os deuses.
  • Spiritum: Onde residem os Fantasmas e os Espíritos que depois retornarão a outros planos, tentar alcançar esse plano sem estar morto é garantia de de perda de sanidade.
  • Arcádia: A terra das Fadas, onde Licaon e seus filhos foram almadiçoados. Antigamente era dividido em Velha Arcádia e Nova Arcádia, atualmente está bem maior (veja abaixo)
  • Sonhar: Mundo alcançado quando as pessoas dormem e é totalmente feito de Sonhos, onde também há passagens para o reiono dos mortos.
  • O Inferno: Local onde se situam os nove círculos descritos na obra de Dante, cada um habitado por tipos diferentes de demônios.
  • Underworld: Reino que conecta com a Terra, Spiritum e Arkanun, para onde as almas menos nobres vão.
  • O Abismo: Locla onde residem os demônios refugiados de Arkanun.

Maytréia é dividido em quatro planos: Físico, Etérico, Astral e Mental. Aqui, uma amostra das criaturas dos planos.

RPGQuest: Arcádia
Em Arcádia existem bolsões formados por vários mundos (Tormenta, Yrth, Réia, Tagmar, Oerth estão inclusos) é como se fosse um enorme oceano com vários mundos situados, incluindo quaisquer outros mundos. Ele está todo descrito na Wiki da Daemon. Arcádia é a concretização dos sonhos de autores que criaram seus mundos, seja num quadro, num livro ou memso num RPG. O Multiverso foi publicado em vários livros: Neokosmos (Neokosmos), Nova Arcádia (RPGQuest 1), Velha Arcádia (RPGQuest 2), Languedoc (RPGQuest 3), Terra do Sol Nascente e Reino de Jade (RPGQuest 4 e 5) e Hi-Brazil (Hi-Brazil).

Versão caseira
É comum que pessoas tenham vários mundos comprados com o mesmo sistema, como por exemplo Daemon e mais ainda, D20. Crie seus personagens normalmente e converse com o Mestre se podem ter algum tipo de viagem entre os planos. Por fim, tente aproveitar o máximo de livros possível, cada vez que você conehcer um mundo será mais legal!

Fontes: Wikipedia inglesa, Mobile Encyclopedia e Uchronia

Um pensamento sobre “Multiverso no RPG

  1. Pingback: Um mundo? Que tal jogar em vários? « RPG News

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s