[Retropunk] Abismo Infinito (Abismo Infinito)

2012 foi o ano da volta dos RPGs de ficção científica, muitos anos após Millenia. Primeiro tivemos esse Abismo Infinito, depois o Space Dragon (já resenhado aqui) e já no fim do ano tivemos o Brigada Ligeira Estrelar, que pretendo resenhar aqui no futuro. Abismo Infinito foi o vencedor do Concurso Faça Você Mesmo de game design promovido pela Secular Games em 2011.

O livro começa com uma HQ que dá a noção de como será o jogo: personagens se tornando insanos caso durmam e é isso que o personagem principal evita ao máximo. O primeiro assunto é um contrato relativo à Iniciativa Cronos assinado pelo autor. O primeiro capítulo (Expedições ao Infinito) descreve o cenário e elementos como a exploração espacial e a Iniciativa Cronos, as missões, as estações espaciais chamadas Hipérions, os cruzadores intergaláticos conhecidos como Argos, os computadores de bordo conhecido como Nomos e atecnologia de dobra, os andróides conhecidos como Talos, a hibernação criogênica entre outras discussões. Durante os capítulos enquanto corre o texto há o holodiário (em vídeo e som) de Joana S. Ramsés, gerente de astrofísica em fragmentos, indicando coisas que os astronautas fazem, como a exploração de planetas tudo cercado por muito medo. Voltando ao capítulo, também há a descrição da fauna e flora extraterrestre e a busca de um novo planeta Terra para os humanos, a partir da terraformação. Há nesse capítulo também a descrição da Zona Hadeana (como dá para perceber, foram usados vários nomes da mitologia grega) formada por um buraco negro, estrelas primordiais e vários braços galáticos, a teoria dos pré-humanos (similar à dos alienígenas do passado) e dados sobre os extraterrestres. Ainda no primeiro capítulo, há os dois problemas que os astronatutas enfrentam: a febre do espaço e o pesadelo lúcido. Há um subcapítulo especial sobre a Terra no quarto milênio, com um único governo para todo o mundo. Esse primeiro capítulo pode ser lido por mesmo quem não conheça o RPG ou não vá jogá-lo.

O segundo capítulo “Caindo no Abismo” apresenta para o jogador o que é RPG e que, ao contrário de alguns RPGs narrativos, esse tem a figura do Mestre, aqui conhecido como “Mestre do Espaço”. Há também a explicação do que se trata o RPG, como “Se você espera vivenciar um combate intenso contra naves espaciais e alienígenas conquistadores armados com pistolas lasers ou estratégias de combate minuciosas, talvez este não seja o melhor jogo para isso (a não ser que as naves e os alienígenas sejam ilusões provindas dos próprios protagonistas).” Há também as influêncuas do jogo: HP Lovercraft, Freud e Einstein. Ao final do capítulo há o contraponto: “Desculpe, Einstein” sobre os cruzadores que superam a velocidade da luz, assim como uma grande lista de referências que foram usadas.

O terceiro capítulo “Gênesis e Resolução” cuida da criação do protagonista, que ao invés de evoluir, ele involui. Há no total dez cargos para o protagonistas: Astrogeólogo, Cosmólogo, Criptólogo, Engenheiro, Exobiólogo, Médico, Navegador, Psicólogo, Segurança e Videomaker. Há dois dados importantes na ficha: medo particular e sonolência, que são afetadas por trauma e estresse, os quais os pontos devem ser marcados na planilha. Além disso, é necessário escolher o seu medo particular, no exemplo aparece “medo de ficar longe da família e dos filhos”. Em relação ao medo, conforme vai ocorrendo, o personagem vai ficando mais insano e em relação á sonolência, isso ocorre devido à hibernação criogênica, no qual após acordar, o personagem não consegue distinguir sonho e realidade, o que o leva ao olvidamento e terá sonhos sobre sonhos sendo cobertos em várias camadas e as âncoras, emoções que ligam o personagem à Terra. Como todo RPG narrativo, a ação é baseada em cenas que os jogadores constroem. Há também descrições de fenômenos espaciais como buracos negros e cinturões de asteróides. Além dos dois casos que os personagens têm de tomar cuidado, há também fatores como criaturas e doenças extraterrenas, males do espaço e regiões perigosas.

O último capítulo “Conduzindo o Pesadelo” descreve como o Mestre do Espaço deve conduzir o jogo e assuntos como a criação de missões, personagens úteis, usar a tecnologia, usar vários tipos de temas e como narrar manifestações e ilusões, assim como o funcionamento do horror cósmico e a criação de cenários. A história é dividida em três partes: Despertar (início), Pesadelo (meio) e Redenção (fim). Há um capítulo pré-definido chamado Autocnônia-66 que pode servir como aventura inicial para inserir os perosnagens no jogo. Finalizando, um índice remessivo e planilha de personagem.

Abismo Infinito é um RPG narrativo muito bom com diagramação e arte de excelente qualidade no qual a capa dura possui uma figura que lembra uma vítima do Vashta Nevrada (da série de ficção científica inglesa Doctor Who), com incentivo ao horror pessoal e espacial. A ideia do jogo é incrível e bem aplicada no jogo, inserida ao contexto do RPG narrativo. Quando comprei na pré-venda, o jogo veio em um kit contendo o mapa da via-láctea, um CD com a trilha sonora (que não ouvi ainda, assumo), um escudo do mestre que contém todas as regras importantes e uma planilha cartonada. Perdeu pontos em desenvolvimento pela parte do “O que é RPG?” entrar muito tarde no livro.

Abismo Infinito

Tipo: Livro Básico
Sistema: Abismo Infinito (narrativo)
Autor e ilustrações: John Bogéa
Editora: Retropunk Publicações

Avaliação: 6/6

Regras: 6/6
Arte: 6/6
Desenvolvimento: 5/6

2 pensamentos sobre “[Retropunk] Abismo Infinito (Abismo Infinito)

  1. Pingback: Resenha: Abismo Infinito | RPG News

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s