Dragão Brasil #112 (Jambô) – Tópico a Tópico

db112-capaÉ possível dizer que a Dragão Brasil teve três “fins”: o primeiro, com o Trio Tormenta na edição 111, com o Telles na 120 e por fim, na 123, com o Siilvio Compagnoni Martins, nesse meio tempo foram duas mudanças de nome da editora, de Trama para Talismã na edição 89 e por fim, Melody (somente na 123). Mas por quê essa introdução rápida? Pois que essa edição em PDF seria a continuação da fase do Trio, agora na Jambô. Essa edição saiu como brincadeira, somente com a capa citando o sucesso do Netflix, Stranger Things. E será que temos muita coisa pra falar sobre uma edição simples, com somente dois artigos? Temos sim!

  • A Capa: A capa traz a adaptação da edição: Stranger Things, série exibida no Netflix a qual abordaremos no seu artigo, assim como Demogórgon. Em um post no Facebook (19/07), Cassaro denota a semelhança na fonte usada: a Benguiat, então a fonte aparece no título da matéria e na logo da revista. Depois, JM Trevisan apareceu fazendo um mockup da capa (03/08) e com o recado: “A DB se foi, mas a gente continua na ativa”. Isso vai ser importante ao analisar o editorial. Por fim, a Jambô publica a versão em PDF da revista em 17/08. Outro detalhe da capa é o código de barras, que é exatamente o mesmo da edição 48, que tinha na capa Spawn e o quê isso quer dizer? Acredito que nada! Só coincidência para aproveitar o modelo da capa para a revista.
  • Editorial (“Coisas Estranhas!”): Enquanto a capa segue o padrão das edições formatinho pré-Tormenta 1ª edição (que durou entre as edições 33 e 51, sendo que na 50 este mundo foi publicado pela primeira vez), o miolo da revista segue os príncipios desta (entre as edições 1 e 2 que se chamavam Dragon e indo até a 7), incluindo a lança (lança?) no sistema em que era publicado o material. Agora, indo ao editorial para depois apegar aos detalhes de novo, ele aborda as estranhezas que tinham: “Dados estranhos, jogos estranhos, monstros estranhos (até gente olhando estranho enquanto jogávamos, não é mesmo?” e que essa edição é uma homenagem a antiga revista e que essa homenagem só existe a partir da lembrança dos fãs ao verem o mockup da capa, já citado. Há um pequeno erro no texto “Lendas Lemdárias” e pede para aproveitar essa viagem por hora. Olhando os créditos, há o Cassaro como editor-chefe, Trevisan e Saladino como editores-assistentes, os autores dos artigos Bruno Schlatter, Davide Di Benedetto que também cuidaram da revisão junto com Marlon Teske e por fim, a diagramação por conta de Trevisan e Guilherme de Svaldi. Trevisan, aliás, que aparece como autor de “Ideias retardadas e departamento de picaretives” assumindo assim a “culpa” pela edição da revista. Para quem não consegue ligar o nome às pessoas, tanto o BURP quanto Marlon Teske e o Davide di Benedetto colaboram com a Jambô e com o blog RPGista e o Marlon também é autor do Manual do Aventureiro e do Tormenta Alpha. Embaixo, um anúncio bem simples da Jambô que circulava na Dragão Brasil na época pré-Tormenta com os telefones atualizados, logicamente.
  • Stranger Things (3D&T): Esse artigo foi feito Bruno “BURP” Schlatter, que lançou o netbook Magibol, sobre um esporte fictício para 3D&T, D20, Daemon e RPGQuest, tempos depois ele lançaria uma RPG sobre futebol dentro da revista online Beholder Cego. Ele mesmo criou a sua própria versão para o 3D&T, chamada BD&T. Nessa adaptação, pela primeira vez em 3D&T aparecem regras para jogar com crianças, que está como Vantagem Única, de custo 0 (afinal, é um “downgrade” do personagem comum). Há rergas de nicho para crianças, que aparecem em Mega City, baseado no Agentes da Liberdade para Mutantes e Malfeitores. Também não se pode escolher qualquer Vantagem ou Desvantagem, sendo limitado a algumas opções. Há uma nova regra: Pontos de Destino que são pontos para usar de formas surpreendentes. Por fim, a ficha dos personagens, mas não tem a da Nancy cuja foto aparece na matéria.rpgcrianca
  • Demogórgon (Tormenta RPG): O principal vilão da série aparece aqui(na verdade, não sei se ele aparece assim na série, não a acompanhei) e é exclusivo para Tormenta RPG ele é apresentado como um demônio que ficou aprisionado em seu plano até que algo o pudesse libertar. Na ficha, ele tem Nível de Desafio 20 e muitos poderes. O Demogórgon original é mencionado no manuscrito Lactantius Placidus e é resultado da fusão entre as palavras gregas “Demon” (Espírito) e Gorgon (Górgona, uma representação grega da Medusa) e também no poema Tebaida de Estácio, asism como no volume 2 do Paraíso Perdido de John Milton e em Fausto, de Christian Marlowe, em todas essas representações ela aparece como um demônio cristão. Enquanto em Dungeons & Dragons, ele é mencionado primeiramente no polêmico suplemento Eldritch Wizardry (não ilustrada), no Monster Manual do AD&D 1st Edition, no Immortal Rules Set do Basic D&D (que aqui somente a primeira caixa foi lançada pela Grow), no Monster Mythology do AD&D 2nd, na 3ª edição no Book of Vile Darkness e na aventura Bastião das Almas Perdidas (Bastion of Broken Souls), no Manaual dos Monstros 2 de D&D4 e, por fim, a aventura Out of the Abyss de D&D5. Em todas essas versões ele aparece bem diferente das fontes literárias sendo um demônio repetiliano (ou anfíbico) com duas cabeças de mandril e língua de cobra e é grande rival de outro demônio, Orcus.Nota: De brinde, uma adaptação dele para Old Dragon direto do blog oficial da RedBoxdemog
  • Pós-editorial (II): O Fim? O texto que está aqui apareceu primeiro em um comentário no post do mockup da capa do Stranger Things indicando aonde o Trio trabalha no momento com a Jambô Editora, a loja Nerdz e a Guilda do Macaco, sem contar uma piadinha com o Trevisan. Esse estilo de editorial/sumário apareceu entre as edições #42 e #107 e piadinhas com os editores apareciam em todas as edições da revista. Lembrando que a revista está para download gratuitamente aqui.