O RPG brasileiro em 2019: Parte 2 – Novos (e antigos) rumos

RPG2019Conforme o prometido na primeira parte, vamos abordar uma tonelada de assuntos nesta segunda parte, será focado principalmente no Brasil, mas por vezes será interessante recorrer ao exterior para verificar a situação do título como se encontra. Algumas editoras tiveram mudanças importantes este ano e outras já anunciaram novidades para o ano que vem. Não se trata propriamente de uma retrospectiva (se for, só a farei em Janeiro) mas sim uma reflexão sobre a situação atual do RPG no Brasil, note que muita coisa não será citada, destaquei as mais importantes apenas.

Editoras e estúdios em alta

Letra Impressa e Coisinha Verde: Talvez as menores editoras de livros atualmente, mas de grande importância no mercado atual. A Coisinha Verde tem em seu currículo o Card Game Goblins, o sistema Mighty Blade e o RPG Malditos Goblins. Recentemente, lançou o RPG espacial Nebula e alguns RPGs solo (veja nessa seção em específico). Ainda há a possibilidade de uma edição de aniversário de Mighty Blade, a quarta edição de Calisto, ente outros. Já a Letra Impressa é a editora de Marcelo Paschoalin, que se tornou conhecido pelo Anel Elemental (lançado primeiro pra FUDGE e depois para OPERA) e o OSR Dark Fate publicado somente em inglês. Agora com sua própria editora, tivemos os OSRs Zauber (baseado em Old Dragon, mas moderno), Foices e Feitiços (baseado no OD&D e AD&D) e Aventuras, Foices e Feitiços (baseado no D&D B/X) além do mundo baseado no Antigo Egito, Atisi (disponível nas versões Bárbaro de Lemúria e Dungeon World). Ainda dentro da linha PbtA, foi feito FC de Perdidos e a tradução do RPG solo Four Against the Darkness. Isso dará dicas de como a editora poderá agir ano que vem, focando em PbtA e solo.

Lampião Game Studio – O Lampião é um estúdio que vem atacando em várias frentes: Temos por exemplo o Desafiantes sobre boxe na Pensamento Coletivo, Déloyal na mesma editora, Arquivos Paranormais na AVEC, NeoGhaluni com fantasia histórica urbana, Belregard pela New Order e o alternativo e gratuito baseado em transumanismo quéchua Pacha. É um estúdio que ataca em várias frentes, editoras e sistemas e ano que vem não será diferente, vide que teremos mais um continente para NeoGhaluni.

Época de mudanças

New Order, Sagen e DCC: Vamos por partes porque isso é muito profundo, mais que a Deep Web. Primeiramente, Jospeh Goodman, dono da Goodman Games publicou uma carta aberta aos jogadores brasileiros de DCC na qual critica a não entrega dos dados estranhos, os prazos não cumpridos e a editora de não ter os direitos de Lankhmar, o que foi sugerido que seria entregue pelo financiamento coletivo. Em 1º/12 será o prazo de contrato. Dia 25/09, a New Order postou falando sobre o reembolso dos dados para quem apoiou o FC e dizendo que Fato incontestável é que fizemos tudo que estava ao nosso alcance. Nosso foco neste momento é resolver tudo que dependa exclusivamente da Editora New Order, inclusive erratas e coisas do tipo”. Por fim, antes disso, em 22/09 a Goodman Games anunciou que a Sagen será a nova editora do DCC no Brasil e esta editora anunciou em sua página anunciando Masks of Lankhmar, Through Ningauble’s Cave e Patrons of Lankhmar, torneios, eventos e Road Crew, uma forma de divulgação com brindes da DCC para quem fizer jogo ao vivo. A New Order também vai continuar até terminar o contrato dia 01/12 com o que falta a ela publicar.

RedBox e Bureau de Jogos: É a única das notícias que já tínhamos divulgado aqui. A Redbox agora é Buró de Jogos, uma empresa argentina e com isso, motivaram a eles terminarem os livros de financiamento coletivo ainda não entregues: Shotgun Diaries, Legião (tenho de pegá-lo ainda) e Space Dragon. Agora, com as dívidas pagas, há uma incógnita do que acontecerá ano que vem com a editora, já que a Bureau é mais famosa pelos jogos de tabuleiro que os RPG, ainda que tenham o seu: El Resugir del Dragón que usa regras similares a D&D5 (da mesma forma que Pugmire e Feast of Legends). Porém, já divulgaram que ano que vem deve ser lançado Kult em financiamento coletivo (entrevista para a Toca do Bodão). Também Cultos Inomináveis baseado nos Mythos de Cthulhu que deve entrar em financiamento coletivo logo, ainda este ano.

Vampiro V5: A Modiphiüs anunciou primeiramente que a Galápagos lançará o jogo aqui no Brasil, depois de anos sem editora (o último livro lançado pela Devir foi em 2011, o Manual de Conversão). A nova edição do A promessa é que o jogo seja lançado no terceiro semestre do ano que vem (veja abaixo, resumido, a informação está mais detalhada no Joga o d20).. Depois, começou-se uma campanha bem humorada para que a Galápagos também comprasse a licença de GURPS e o lançasse por aqui para que tivesse o trio dos anos 90/2000.

Lista de lançamentos para Vampiro: a Máscara pela Galápagos:

3º trimestre (Ago-Set) – Vampire V5 e Camarilla

4º bimestre (Out-Dez) – Anarch e talvez, Werewolf V5

Métodos de jogo em alta

OSR: Ou Old School Renaissence, presente no Brasil de forma profissional desde o lançamento de Old Dragon (aqui sempre preferi usar o termo old school apenas, é mais genérico). A ideia é trazer o jogo da forma antiga, que aliás, não chegou a existir no Brasil: Tabelas para criação de personagens e para usar durante o jogo e geralmente sem Perícias para testes, isso fica a cargo dos Atributos e Jogadores e as regras quem precisa saber é o mestre, não os jogadores. Aqui tem um textinho do Igor Sartorato explicando. O conceito de OSR surge no A Quick Prime for a Old School Gamer lançado em 2009 é a base da OSR e pode ser conhecido no blog do Fabiano Neme, que disponibiliza uma tradução. De importante no Brasil, fora Old Dragon (mencionado abaixo) nos últimos anos tivemos o Foices & Feitiços e o Aventuras, Foices & Feitiços pela Letra Impressa e além deles tivemos Maze Rats pela Gentle Ogre, Knave pela Pensamento Coletivo, ambos do mesmo autor, Ben Milton . Também pela Pensamento Coletivo, o Espadas Afiadas & Feitiços Sinistros (que deve ganhar uma nova edição em breve) além dos suplementos Addendum e Livro do Criador e o título espacial Solar Blades & Cosmic Spells do Diogo deve sair no Brasil pela Sagen. Outro título da OSR é o Dungeon Crawl Classics lançado aqui pela New Order e em dezembro passará a ser da Sagen Editora (veja mais abaixo). Para ano que vem a Redbox/Buró promete a edição de Kult para o sistema e a Letra Impressa, o Audaciosamente Indo… de ficção científica.

RPG solo: O RPG solo está bem diferente do que era antes. O que antes era uma história na qual se tomava decisão e fazia alguns testes para ir ao capítulo 20 ou 35 da história e acabar vivo ou morto. Agora o RPG solo recebe o reforço das tabelas da OSR e ela vai ditar seu destino. Pode-se inclusive usar um Mestre chamado “oráculo”, que possui mais tabelas como auxílio. Os maiores exemplos atuais são Ronin (e Amigo Dragão) do Coisinha Verde ou Four Against Darkness que será trazido aqui pela Letra Impressa. Sem esquecer que o Coisinha Verde tem o Notequest, ainda não publicado, que é bem interessante.

Sistemas em alta

FATE/FAE: Não tivemos tanto FATE este ano, a não ser pelo Dungeonist. mas há um grande destaque: o FATE Criaturas Fantásticas e o Mundos de Aventuras (ambos pela Solar Entretenimento). Além disso, foram lançados três cenários: Nest, Mestres de Umdaar e Boa Vizinhança pela Pluma Publicações. Quem sabe, esse RPG narrativista tenha mais títulos ano que vem.

Open Gaming License: Os jogos mencionados anteriormente: Dungeons & Dragons 5ª edição, Pathfinder 2ª edição e Tormenta20 (além de DCC, Espadas Afiadas e Old Dragon, que estão sob a mesma licença) são filhos de um mesmo pai: o Dungeons & Dragons 3.x (uso de Perícias e Talentos ainda são de forma similar) e mais importante ainda: a licença OGL, que permite a qualquer um criar jogos derivados dos originais e essa terceirização já acontece com D&D5, que teve aventuras publicadas pela Sagen e o Filhos do Éden – Universo expandido de Eduardo Spohr e Tormenta20 também terá publicado o Skyfall RPG (cuja versão D&D5 já está disponível na Dungeonist). Sobre D&D5 ainda é possível mencionar a grande lista de lançamentos (Fonte Blog Joga o d20) para o ano que vem (veja abaixo, resumido, a informação está mais detalhada no Joga o d20). A licença da 3.x para a 5e sofreu atualização somente no nome dos autores, em tese é a mesma, já que não pode ser alterada, assim como a produção de produtos compatíveis.

Lista de lançamentos para D&D segundo a Galápagos

Ainda em 2019 – D&D5 – Monster Manual – Livro de Monstros

1º trimestre de 2020 (Jan-Mar): Livro do Mestre, Escudo do Mestre, Kit Introdutório, A Maldição de Strahd, Deck Tarokka e Escudo do Mestre para A Maldição de Strahd, Guia do Aventureiro para a Costa da Espada e início da Adventurer’s League

2º trimestre de 2020 (Abri-Jun): Baldur’s Gate: Descida a Avernus, Guia de Xanathar a todas coisas, Deck de referência – Magias, Deck de referência monstros 0-5, Deck de referência – Itens mágicos.

3º trimestre de 2020 (Jul-Set): Eberron – Rising from the Last War, Tomo de Mordenkainen de Inimigos, Guia do Volo sobre Monstros, Fúria do Rei da Tempestade

4º trimestre de 2020 (Out-Dez): Projeto Avalanche (codinome para um projeto não anunciado lá fora ainda)

Sem data: Contos do Portal Bocejante e Waterdeep: A Masmorra do Mago Louco. Miniaturas Icons of the Realms da Wizkids, Figurines of Adorable Power, fichários e Heavy Metal Dice Set, boardgame Waterdeep: A Masmorra do Mago Louco e o Guia de Estilos Fantásticos

Powered by the Apocalypse: Talvez o maior vencedor do ano, ficou anos sem lançamento aqui no Brasil, o pioneiro foi Dungeon World lançado pela Secular Games , lançado em 2013. Agora, este ano temos o pioneiro mundial Apocalypse World chegando, além de Monsterhearts, Perdidos, O Véu entre outros como Atisi e Sangue & Glória (que é um Dungeon World em modo avançado). Acredito que ano que vem teremos mais títulos relativos a este sistema, como o 2d6 World, versão nova do antigo +2d6 do tio Nitro.

Savage Worlds: Com o sucesso do financiamento coletivo, deveremos ter um maior suporte a este jogo, já que já temos os mundos Deadlands, Accursed, Lankhmar, Winter Eternal e Weird Wars II, quem sabe chegue por aqui mais mundos que foram publicados? De certa forma, SW é o novo GURPS com muitas opções de suplementos e variedade de criação. Como ele não tem licença aberta, quanto mais suporte da própria editora, melhor.

Financiamento Coletivo: Savage Worlds Edição Aventura

Está na hora de ser um Aventureiro. Não perca a mais nova edição de Savage Worlds RPG.

A RetroPunk tem o prazer de anunciar o Financiamento Coletivo do Savage Worlds – Edição Aventura, a nova edição do Savage Worlds (publicada através de Kickstarter em 2018 pela Pinnacle Inc. e entregue em Agosto de 2019).

Continuar lendo

Financiamento Coletivo: Savage Worlds – Weird Wars II

A Segunda Guerra Mundial nunca mais será a mesma coisa!

O projeto

Desde 2012 o Savage Worlds vem fazendo sucesso no Brasil pela Retropunk. O livro básico já teve duas tiragens, lançamos os 4 compêndios (Horror, Fantasia, Superpoderes e Ficção científica), os cenários Deadlands e Accursed (com suplementos), além de várias aventuras em pdf.

Agora temos uma nova meta, que é colocar o Savage Worlds num outro patamar, jamais atendido por qualquer outro sistema de RPG no Brasil, com a entrada de novos e variados cenários, suplementos e aventuras.

Continuar lendo