Lançamentos da Jambô na Bienal do RJ (2)

Aqui, a segunda e final parte dos lançamentos na Bienal. Nesta segunda e última leva: Dragões do Crepúsculo do Outono – Crônicas de Dragonlance volume 1, Flor de Sangue e O Tratado dos Mil cantos.

dragoescrepusculodooutonoDragões do Crepúsculo do Outono

Margaret Weis e Tracy Hickman

Crônicas de Dragonlance, Volume 1

Quando os antigos companheiros se reúnem na Hospedaria do Lar Derradeiro, encontram uma jovem portando um cajado de cristal e uma mensagem assombrosa: os deuses voltaram.

Continuar lendo

Lançamentos da Jambô na Bienal do RJ (1)

A Jambô vai estar com seis lançamentos na Bienal do livro, vamos divulgar em duas partes, para facilitar. Aqui, A Deusa no Labirinto,

deusaA Deusa no Labirinto

Karen Soarele

No oeste do mundo conhecido, o Império de Tauron ergue-se supremo

Em uma terra onde os fortes oprimem os fracos com a justificativa de protegê-los, elfas e humanas são mantidas escravas nos haréns dos minotauros. Assim determina a lei do império, concebida conforme a lei divina do Touro em Chamas.

Continuar lendo

Financiamento Coletivo: Tetralogia Angélica (Edição de colecionador)

Pela 1ª vez, um box com os livros da Tetralogia Angélica em capa dura e muitas outras recompensas!

A tetralogia

Escrito entre 2003 e 2005 pelo jornalista Eduardo Spohr, o romance A Batalha do Apocalipse: da Queda dos Anjos do Crepúsculo do Mundo foi publicado no ano de 2007 de forma totalmente independente, em parceria com o site Jovem Nerd. O livro, que conta a história de Ablon, um querubim expulso do céu por desafiar a tirania dos arcanjos, virou um sucesso entre o público nerd. Em 2010, Spohr assinou contrato com a editora Verus, um selo do Grupo Editorial Record, e A Batalha do Apocalipse ganhou as livrarias de todo o Brasil, tornando-se um best-seller instantâneo. Mais tarde, a obra seria publicada no exterior, em países como Turquia, Holanda e Alemanha.

Continuar lendo

Websérie Desaventureiros está de volta!

Foto-de-Capa-Página-T2

A websérie brasileira encabeçada pela Maré Geek, volta para segunda parte da segunda temporada em agosto.

Baseada no universo de RPG, Desaventureiros é uma comédia nerd sobre esse grupo de desajustados tentando funcionar em conjunto. Essa fantasia-medieval-tropical toca em temas relevantes e atuais de maneira consciente e bem-humorada, tratando de questões como a banalização da violência, precariedade dos direitos trabalhistas e as diferentes formas de afeto contemporâneas, trazendo representatividades múltiplas e procurando subverter certos clichês do universo geek.

Continuar lendo

Financiamento Coletivo: Mulheres vs. Monstros

Campanha Mulheres vs. Monstros from Claudia Lemes on Vimeo.

Coletânea de artigos e contos inspirados pelas melhores histórias de mulheres contra monstros

São histórias contadas e recontadas através dos tempos.

Ao redor da fogueira, sussurradas entre quatro paredes, nas páginas de livros, nas telas do cinema, emolduradas por quadrinhos e através de streaming para smartTVs; as histórias de mulheres enfrentando monstros sobreviveram porque reverberam no íntimo de todas as almas femininas que conhecem a luta. O monstro vem em muitas formas; o próprio pai, doenças, pobreza, violência, marido, dogma, traição, acidentes, fome, depressão. O monstro pode ser um demônio, um deus, uma criatura de outro planeta ou o próprio lado obscuro da alma dela. Mas a mulher luta até o fim.

Continuar lendo

Financiamento Coletivo: “O Necromante”, de Lorenz Flammenberg

O clássico romance gótico alemão de 1792 traduzido pela primeira vez para o português.

Bem-vindos à nossa quinta campanha aqui no Catarse! Nesta empreitada, gostaríamos de apresentar o romance O Necromante (Der Geisterbanner, 1792), de Lorenz Flammenberg, que finalmente ganha uma tradução em língua portuguesa na coleção Imaginário Gótico (editoras Sebo Clepsidra e Aetia), composta por importantes romances e dramas góticos inéditos ou raramente editados no Brasil.

A escolha do título é estratégica. Além de ser uma das clássicas horrid novels listadas por Jane Austen no romance Northanger Abbey, numa cena cômica na qual uma leitora compulsiva de romances góticos recebe dicas dos romances mais horrendos disponíveis na época, O Necromante é um exemplo perfeito do Schauerroman (“romance de calafrios”), a contrapartida germânica ao romance gótico de origem britânica.

Clique aqui para participar do financiamento coletivo

00-Mockup-capa-lombada-e-miolo

Detalhes do projeto

A encadernação é em capa dura, o livro tem 16 por 22 cm e totalizará cerca de 230 páginas impressas em papel off-white (pólen ou semelhante). A cor escolhida para este volume foi o azul, inspirado pela chama resultante da queima do enxofre elementar, que desempenha um papel importante em cenas marcantes do romance. Esse mesmo tom etérico também aparece na pintura a óleo do britânico Benjamin West escolhida para compor a capa, Saul e a Bruxa de Endor (1777), produzida 15 anos antes da escrita do livro. Nessa tela, o artista explora um episódio necromântico da Bíblia e o aproxima visualmente dos espetáculos de fantasmagoria do fim do século XVIII.

Por trás do curioso pseudônimo Lorenz Flammenberg (em alemão: Flammen –chamas; Berg: montanha), está Karl Friedrich Kahlert (1765-1813), autor sobre o qual se tem pouca notícia. Nascido na cidade de Breslávia, na região da Silésia (hoje parte da Pôlonia e, à época de Kahlert, pertencente à Prússia), era um funcionário público.

A carreira literária de Kahlert, fortemente influenciada por Friedrich Schiller, limita-se à época que passou na Breslávia durante sua juventude, onde escreveu duas peças históricas. Após publicar O Necromante, o autor concentrou-se mais na sua carreira pública e não produziu mais nenhuma nova obra. A tradução inglesa The Necromancer, publicada por Peter Teuthold em 1794, fez um enorme sucesso na Inglaterra, influenciando escritores importantes como Matthew Gregory Lewis, Ann Radcliffe e muitos outros.

06-Necromante-capt-um_-_PG_CATARSE

As páginas iniciais e finais dos volumes da coleção Imaginário Gótico são marcadas pelos ornamentos arquitetônicos de estilo gótico e neogótico, como se o percurso de leitura representasse a travessia do leitor por um “templo literário” no qual a lógica do cotidiano cede espaço ao grotesco, ao frenético e ao sobrenatural.

A obra tem duas partes e conta uma história não linear que inclui um relato oral e uma parte epistolar, com trocas de cartas. Aos poucos, as vozes de diferentes personagens vão revelando um quebra-cabeças com histórias dentro de histórias (recurso muito utilizado nos romances góticos) e cada nova revelação ressignifica passagens anteriores, esclarecendo dúvidas e amarrando pontas que permaneciam soltas.

O enredo apresenta dois grandes amigos que se reencontram após muitos anos afastados. Numa de suas primeiras conversas, eles revelam um para o outro estranhas experiências envolvendo aparições fantasmagóricas inexplicáveis. Aos poucos, seus relatos apontam para um sábio misterioso famoso por invocar espectros e submetê-los à sua vontade. Mal sabem eles, porém, que há todo um submundo de crimes no qual eles se percebem enredados, e que suas histórias estão muito mais interligadas do que eles pensam.

As ilustrações incluídas no livro foram extraídas de edições clássicas da obra e oferecem aos apoiadores a mesma experiência visual que os leitores do século XVIII e (início do) XIX tiveram na época de seu lançamento original.